OLHAR CRÍTICO

6. Um olhar crítico da realidade que encontrou no Brasil

Na sua chegada, o país passava por um momento atípico em sua história. Começava a viver o chamado “milagre econômico”, época de grandes ideias e enormes investimentos com o capital estrangeiro. A economia alcançava uma estabilidade aparente, somente desconsertada pelos indicadores sociais, quando mostravam a situação de pobreza da população e a falta de investimentos em áreas essenciais como saúde e educação. No Nordeste, essa situação era agravada pelas chuvas irregulares, sempre provocando o êxodo rural, a concentração dos investimentos na região Sudeste e pela falta de condições de vida da população. Já morando no Casarão, entre o povo mais simples, no Bom Pastor, contemplou quão vasto seria seu campo de atuação. Ao olhar na direção do rio Potengi, encantou- se com o pôr-do-sol. Depois olhou ao redor e não conseguiu enxergar nenhuma casa. Nas redondezas não havia praticamente nada. Além de desabitado, o local era totalmente abandonado pelas autoridades do Município e do Estado e até pela própria Igreja. As casas que havia eram dispersas, a maioria de taipa. Não havia nada por perto. Nem escola, nem farmácia, nem ambulatório, nem supermercado, enfim, nada. Até a Missa, a população tinha que andar quilômetros para participar.

< ANTERIOR PRÓXIMO >